BRDE e Fomento Paraná se unem para facilitar acesso ao crédito

18/11/2015

Com o intuito de facilitar acesso ao crédito e gerar desenvolvimento sustentável no Estado, BRDE e Fomento Paraná unem forças e oferecem R$ 3,7 bilhões para empresas e municípios.

Na quarta feira passada, dia 11 de novembro, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) fechou os dois primeiros contratos de financiamento empresarial pelo Sistema Paranaense de Fomento (SPF), programa que tem por finalidade gerar o crescimento sustentável com apoio financeiro e de planejamento para empresas e municípios.

Serão disponibilizados R$ 3,5 bilhões para a iniciativa privada e R$200 milhões para o poder público, que podem ser solicitados nos próximos três anos.

O SPF vinculará ações entre o BRDE e a Fomento Paraná que pactuaram acordo operacional para facilitar o acesso ao crédito. Cabe ao banco, mantidos pelo governo do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, ofertar os recursos, e à agência buscar por adesão em municípios.

Grande parte do orçamento tem origem no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), depois de destinar R$ 200 milhões por parte do governo do Paraná, Wilson Quinteiro, diretor de operações do banco do extremo sul, afirma que o valor designado pelo governo permite obter até R$ 1,4 bilhões, ou sete vezes mais em recursos.

O restante pode ter origem no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), na Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e no Banco Mundial.

Os dois primeiros contratos do SPF somam R$ 1,19 milhão e foram assinados com as empresas Villa IT - Tecnologia da Informação, no valor de R$ 430 mil, e Allinsert Eletrônica, de R$ 763,7 mil.

São quatro novos formatos de financiamento. O primeiro é o BRDE Município, que permitirá que prefeituras busquem recursos para projetos de mobilidade, recapeamento asfáltico, sistemas de tecnologia, aquisição de ônibus ou construção de escolas, entre outros. O BRDE Energia é para a criação de propostas de geração por fontes renováveis, como eólica e solar. Há ainda o BRDE Inovação e o BRDE Microfinanças que oferece até R$ 20 mil por microempreendedor para a abertura de empresas.

Quinteiro lembra que parte dos projetos é oferecida pelo BNDES, mas o BRDE oferece agência no Estado para canalizar os programas nacionais e criar novos, de acordo com especificidades regionais.

Fonte Folha Web

Leia mais: https://migre.me/s9BXs