Estratégias para o setor agrícola!

14/09/2015

No terceiro dia de entrevistas sobre o planejamento estratégico para feiras com empresários que expõe sua marca na 38ª EFAPI, ontem dia 13/09/2015 Ângelo Guilherme Woyceichoski, Diretor Comercial da empresa THOR MÁQUINAS foi quem nos concedeu uma entrevista. Clique e leia na íntegra quais os objetivos e estratégias utilizada pela empresa. 

Veja abaixo as estratégias utilizdas pela THOR MÁQUINAS:

Quais foram as estratégias adotadas pela empresa em optar por vender seus produtos na EFAPl?

Nossa vinda foi mais mesmo para mostrar a cara, estar junto com o pessoal do sindicato, junto com os produtores, estar próximos do público alvo. Foi a melhor forma. O objetivo principal foi mostrar a marca, evidenciar a marca tanto da fabricante quanto da concessionária, pois nós acabamos de mudar de concessionária.

Vocês possuem objetivos definidos para a feira?

Bom, isso será feito depois da feira com o pessoal indo até a loja, até a concessionária, pois nós fizemos alguns orçamentos e ficou para o pessoal ir dar o retorno. Aqui alguns clientes capturaram nosso endereço, porque não sabiam. Só então nós iremos medir com nossos clientes, será o reflexo após a feira. Aqui é feito uma filtragem dos clientes, até porque nossos equipamentos são de grande valor e não estão prontamente disponíveis como o "Imperador". Aproveitamos aqui na EFAPI apenas para tirar algumas dúvidas dos clientes mostrando o produto, coisa que não conseguimos fazer em apenas uma visita na propriedade. Isso ocorre devido à característica da EFAPI, porque em outras feiras o pessoal já vai para ter melhores preços. Aqui neste evento não acontece isso, ainda.

E existe uma métrica, forma de medir, se os objetivos foram alcançados?

Foi feito, lógico, temos de sentar e verificar tudo isso. Primeiro a feira não tem custo para virmos, mas também pela necessidade de mostrar, "dar as caras", mostrar a marca, nós tivemos que apertar alguns investimentos e vir. Nós apostamos em ter um bom retorno. Ameaças têm porque o momento econômico não é favorável, para poder investir quinze ou vinte mil reais para fazer marketing. Entretanto como nós queríamos estar com a Sociedade, queríamos estar aqui com os agricultores, mas lógico reduzindo custos de tudo. Tanto que nós mesmos organizamos tudo.

Foi levado em consideração uma análise SWOT?

Foi feito um comparativo com uma feira anterior, mas planejamos da seguinte modo: estimamos os custos, porém a necessidade foi maior de estar aqui, assim como o comprometimento com a Associação. No ano passado o mercado era diferente, já tínhamos um orçamento reservado para este tipo de investimento e neste ano também há, mas não podemos liberar totalmente ele. Porque o momento é crítico. A principal mudança em relação aos eventos passados foi que antes não precisávamos fazer tantas reduções, deu para mostrar mais maquinários e esse ano não. Tivemos de vir com os pés no chão, tranquilos, mas mesmo assim convidando os agricultores. Fizemos um jantar na sexta-feira e teve presença de 80% dos produtores da região, foi muito positivo.

E quem foram os responsáveis pela elaboração do planejamento, somente os diretores ou todos os colaboradores? E quais as contribuições que todos deram?

Nós sentamos com todos os colaboradores para sentir qual a real importância e necessidade de estar aqui. Primeiramente o setor comercial, depois o financeiro e o pós-vendas, através de uma pesquisa, para saber com os produtores o que eles achavam de vir até aqui. É feito um planejamento com toda a equipe.

Em relação aos colaboradores, qual foi o planejamento feito para que eles se envolvessem e se motivassem mais?

Como a empresa está em ascensão, o campo para crescimento é grande e é o setor que puxa a economia, nós atribuímos responsabilidades para todos, dividimos tarefas e preparamos tudo, não foi contratado nenhum buffet, nós mesmos que servimos. É a realização pessoal de cada colaborador, vestem a camisa da empresa. Tanto da Thor Máquinas quanto da própria Stara.

Com relação às estratégias de vendas dos colaboradores, como são planejadas para vender aqui na feira e após a EFAPI?

Estamos mais no trivial mesmo, estar junto com o produtor. Atender a necessidade do produtor porque sabemos da realidade do momento e não dá para oferecer um produto que não seja de real necessidade. Um exemplo e de uma plantadeira, que o agricultor só vai trocar quando for necessário. Qual o momento hoje? É se preparar para o plantio de verão, são as plantadeiras de verão. Quais plantadeiras são, uma PAD talvez. É o trivial mesmo, não há nada muito elaborado, diferente. É o convite para que o pessoal venha ver um produto novo.

Para finalizar nossa entrevista, vocês fazem um comparativo do que foi projetado para a feira e o que foi alcançado? Um Feedback? É feito uma pesquisa de satisfação dos clientes?

Ainda só no "boca a boca", não é feito uma pesquisa propriamente dita, mas os vendedores vão até a propriedade como de costume e fazem algumas perguntas. São nossos vendedores que tem uma experiência maior, que vão até os produtores e coletam algumas informações.

Esta foi a entrevista com Ângelo Guilherme Woyceichoski, Diretor Comercial da THOR MÁQUINAS, Revendas STARA, empresa de máquinas agrícolas. A empresa se localiza na Av. Senador Flávio Carvalho Guimarães, Boa Vista, Ponta Grossa - PR.

Saiba mais sobre a 38ª EFAPI em:

www.sindruralpg.com.br

https://www.thormaquinas.com.br

https://www.facebook.com/efapicamposgeraispr?fref=ts

https://www.facebook.com/hrsolucoesempresariais

https://www.facebook.com/ThorMaquinas?fref=ts